ReportórioOriginais › Zé Caloiro

 

 

De manhã bem cedo
Com as malas ao lado
Minha mãe dizendo
Meu filho tem cuidado
Não se preocupe
Não tenha aflição
Que eu aqui só volto
Com o canudo na mão

Cheguei a Lisboa
Quis ir à faculdade
Perdi-me no caminho
Dei a volta à cidade
Tantas esperanças
Tantas ilusões
Para ser estudante
Tens de ter tomates

Refrão :
Anda cá ó Zé
Não percas a calma
Olha que um bom copo
Aquece-te a alma
Não sejas teimoso
Não digas que não
Esquece o canudo
Leva o garrafão

Cortaram-me o cabelo
Puseram-me bâton
Assim fui eu para o quarto
Com um cheirinho tão bom
Mas o raio da velha
Não me deixava entrar
Ó minha rica mãe
Eu só penso em voltar

E eis que uma caloira
Me deixa enamorado
Amava-me ela tanto
Já me queria casado
Não é esse o destino
Que eu quero ó minha musa
Troquei-a pelo tinto
Casei-me com a infusa

Refrão :
Anda cá ó Zé
Não percas a calma
Olha que um bom copo
Aquece-te a alma
Não sejas teimoso
Não digas que não
Esquece o canudo
Leva o garrafão

Agora bem vejo
Como tinha razão
Aquela Tuna doida
Que me deu a mão
E quando for Doutor
Não me vou esquecer
Do primeiro copito
Que tive de buber

Refrão :
Eu cá sou o Zé
O que eu tenho é calma
Gosto de uns bons copos
Aquecem-me a alma
Agora voltei
Mãe não diga não
Esqueça o canudo
Trouxe o garrafão