ReportórioAdaptações › Barcos do Tejo

 

 

Letra: Lopes Victor & Martinho d'Assunção

Cá no alto do castelo está S. Jorge a dominar 
Olha o Tejo com desvelo, a vê-lo correr pró mar 
Vejo as velas tão branquinhas, barquinhos a deslizar 
Os barcos são alfacinhas e não vão, não vão pró mar
(Refrão)
Barcos do Tejo
P'lo rio afora
Eu bem os vejo
Namorar Lisboa
Iguais as velas
Que deram fama
Às caravelas
De Vasco da Gama
Barcos do Tejo
A navegar
Que eu bem os vejo
Olhando pró mar
Barcos do Tejo
Velas à vela
São filigrana de Lisboa Nobre e tão bela


Destas muralhas com glória
Cá no alto do castelo
Deito os olhos pró Restelo
E oiço falar a História
Velas ao vento tal qual
As que vês lá em Belém
Mostraram ao mundo quem
E o valor de Portugal